segunda-feira, 3 de outubro de 2005

Do disco novo do Aldir

Amei
uma enfermeira do Salgado Filho,
paixão passageira, sem charme nem brilho,
roteiro batido, romance na tarde.

E aí, numa seresta na Dois de Dezembro,
me perguntaram por ela: “- Nem lembro...”,
eu respondi com um sorriso covarde.

Ouvi - que bofetada! - “Morreu duas vezes.
Uma aqui e agora, a outra há seis meses”.
Balbuciei: “- Morrida ou matada?”

“- Depende do seu conceito de assassinato.
Um pobre amor não é amor barato.
Quem fala de tudo não sabe de nada.”

II
Na rua do Tijolo, bloco 5, aquele de esquina,
morou uma enfermeira com a chama vital de Ana Karenina.

Dirá um dodói que Tosltói era chuva demais pra tão pouca planta.
Ô trouxa, heroínas sem par podem brotar na Rússia ou lá em Água Santa...

Aquela mulher que dosava o soro nas veias dos agonizantes
não teve sequer um calmante pra dor sem remédio que aflige os amantes.

Por mais que a literatura celebre figuras em vã fantasia
ninguém foi mais nobre que a Pobre da Enfermaria.

LUPISCÍNICA (Dedicada a Valmir Gato Manso) Jayme Vignoli / Aldir Blanc




Tenho um fiel companheiro
que vigia meu lar.
Tantos me dirão: quem é?
Mas não vou nomear.
Ele é bonito
e a minha garota
o recebe em seu leito
Eu mesmo às vezes
abro mão do orgulho
e com ele me deito.
Assim é o amor que ignora
simplórias fronteiras.
O bom-bocado conhece a medida do fel.
Ciúmes tenho mas eu renuncio.
Coisas maiores existem entre os três:
sabor antigo pela primeira vez...

CONSTELAÇÃO MAIOR, de Hélio Delmiro e Aldir Blanc



Assoviei, fingi à beça,
fiz promessa e o amor não some
Criei um muro e a mesma fome
morde os braços do adeus.
Com a boca eu me despedi,
minhas mãos desdisseram: não, não...
“Mentira, foi tudo mentira,"
você me enganou
Verdade, foi tudo verdade,
eu hoje admito:
somos um mito, sim,
maldade e carinho
ternura sem fim,
num laço,
coleira de cetim...
Quero esquecer de mim,
ser mais você, menos do que eu.
Verdade e mentira que o amor entre nós reviveu
— E um breque é coisa nossa num samba-canção porque...


MENTIRAS DE VERDADE, João Bosco e Aldir Blanc

Nenhum comentário:

Loading...